Desistir.

2_traicao_001

Confesso que nunca li tanto como tenho lido ultimamente, preciso disso.
Ler expande a mente, o saber não ocupa espaço….
Achei isto aqui bem interessante:

“És como a minha sombra. Quanto mais fujo, mais corres atrás de mim. Quanto mais te tentava agarrar, mais tu conseguias escapar. Outrora já fomos só um, ainda sinto a fragancia de verdadeiro amor vindo de nós. Hoje, só não quero sentir o teu odor, tresandas de traições. Ainda sinto as feridas abertas, de todas as tuas facas em que me deitei desde aquele dia. Verdade e realidade que me tentas distorcer.
Cada vez que penso em tudo, compreendo que as feridas saradas tornam-me cada vez maiores, e menos sensível à dor. Hoje, acredito que foi positivo. Estou cansado de correr. Desisto.”

Aí fico pensando…quantas vezes você me disse realmente o que estava pensando?
Tenho visto muita coisa ultimamente, quero dizer, já via antes, mas agora, muito mais. Tenho visto homens enfiados nas igrejas nos dias de culto, acompanhando suas esposas (e filhos, se tiverem), levantando suas mãos, orando, sendo tão politicamente corretos e religiosamente hipócritas e durante a semana, os pés correm em diversos caminhos de adultério, sem nenhum remorso ou culpa, afinal, a mente já cauterizou e o coração não condena mais…não há mais a condição de “pecado”, enfim,  obrigaram-me a experimentar isso.
E senti a morte.
Morte dos sonhos.
Morte da esperança.
Morte moral.

Ser traido é tão intenso, que nos faz perder o norte. Perdemos todos os referenciais… tudo perde o sentido… a coisa chega a tão ponto, que quase chegamos a desmaiar.

Ainda dentro do contexto da traição… Ela é mais intensa ainda, quando sabemos que ela foi premeditada… foi avaliada, calculada, pesada e então a faca foi cuidosamente enterrada entre suas vertebras de forma a matar e não nos deixar gritar.

Fico me perguntando o porque as pessoas traem… Como que um ser humano pode planejar a traição de alguém que lhe quer bem? Alguém que está ao seu lado? Alguém com que se viveu e quem sabe, poderá viver BONS momentos?

Sem sentido? Não existe? Só se vê em novelas ou filmes?

Que nada… já fui esfaqueado de diversas formas e intensidades pelo menos uma dezena de vezes. Na sua maioria, todos foram planejados, avaliados, pesados e até calculados.

O que é permitido ao traído nesta ocasião?

Matar o traidor?
Pagar com a mesma moeda?
Planejar uma vingança maligna?
Reclamar?
Escrever no seu Blog?
Um tiro na cabeça?

Adoraria que alguém me respondesse.

1 Response so far »

  1. 1

    Jojoes said,

    O que é permitido ao traído nesta ocasião?

    R: Perdoar. O que resta no final para aquele que foi traído, é uma dor e uma experiencia. E o que resta para aquele que traiu, a culpa, que pode ate não doer na hora, mas um dia podera doer bastante.

    O perdão é a unica coisa que tira essa dor. O traidor deve perdir o perdão, e o traído deve perdoá-lo, mesmo que ele não peça por isso.

    E se você pensar bem, sua tristeza é exatamente o que o traidor quer ver… então não de esse gostinho a ele!


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: